Seja Bem Vindo!!!

Paz seja Convosco!!!

Depois de quase quatro anos sem nenhuma postagem (Precisamente 3 anos 9 meses e 18 dias), volto a ativa e Louvo a Deus por isso. Foi um período de tribulações, perdas materiais e muito planger. Porém, foi também um período de bençãos, quando ganhei mais três netos (um menino e duas meninas). É no deserto que podemos ter certeza que Deus jamais nos abandona (se fosse o contrário pereceríamos).

Um grande abraço!!!

Pastor Gilberto Pratas


O único caminho

O único caminho

sábado, 11 de junho de 2016

AS PEQUENAS COISAS FAZEM A DIFERENÇA

TEXTO BASE: LUCAS 9:46-48

Boa Noite povo de Deus! Paz seja convosco!
Hoje queremos meditar sobre um assunto que considero muito importante em nossas vidas: as pequenas coisas.
Vivemos em um mundo em ritmo frenético, um verdadeiro corre-corre pra lá e pra cá, às vezes temos a sensação de que fomos engolidos pelo tempo, por nossas atividades diárias. Esse ritmo frenético não nos permite observar ao nosso redor. Não raras vezes a felicidade e os melhores momentos da vida estão incrustados em pequenas coisas que negligenciamos.
Todos gostaríamos, sem dúvida, que as coisas fossem mais fáceis, e que quando nos sentíssemos perdidos entre tantas pressões, tantas obrigações do dia a dia, não nos afastássemos do que é de verdade essencial. Seria interessante pensar por uns instantes nesses aspectos.
Vivemos em um mundo onde a lei do mais forte ou do mais “inteligente” prevalece. As pessoas estão se devorando,  atropelando e sufocando, mutuamente nos negócios, nas amizades, nas famílias e até nas igrejas. A competição e o ciúme selvagem têm transformado e corroído relacionamentos.
No mundo em que vivemos todas as coisas tem um valor ético, moral, espiritual ou monetário independe do benefício que possa trazer. Devemos dar o seu devido valor a todas elas, e quando nos referimos às pequenas coisas, devemos nos lembrar que elas existem e são de suma importância em nossa vida. Elas estão sempre presente em nosso dia a dia, mas é importante ressaltar que há coisas que sempre continuarão pequenas nas mãos de quem não sabe multiplicar. A parábola dos talentos é uma prova disso, Jesus falou sobre os talentos e devemos tomar como lição (Mt 25.16). 
Há um dito popular que diz: "Nos pequenos frascos encontramos os melhores perfumes e os piores venenos". É uma frase significativa que nos mostra que as pequenas coisas  pode assumir diversas interpretações, mas uma das mais importantes ao meu ver, nos ensina que na vida, são os pequenos detalhes que realmente são importantes.
Queremos ser felizes, prósperos e abençoados. Ser feliz não está em viver, mas em saber viver. Não vive mais aquele que mais vive, mas o que melhor vive, porque a vida não mede o tempo, mas o emprego que dela fazemos. Deus tem um propósito em nossa vida então nunca permita que os teus anseios e desejos impeçam que os propósitos de Deus sejam realizados em sua vida.
As pequenas coisas podem fazer uma grande diferença nas nossas vidas. Não precisamos de coisas espetaculares, fantásticas, monumentais para encontramos a felicidade. As pequenas coisas podem proporcionar uma grandeza tal que não podemos imaginar. Pequenos gestos como um pouco de atenção, um abraço, um afeto, ou um simples gesto de carinho pode inundar nosso ser de alegria. São as pequenas coisas que mantém duradoura uma relação, nos mostram o verdadeiro valor de uma simplicidade. O que faz a diferença são coisas que nós chamamos de coisas bobas, ou seja, as coisas mais simples da vida. Atos corriqueiros, que podem fazer uma relação cada vez mais sólida na família, no trabalho, nos grupos sociais, etc.
Devemos estar atentos, pois o prazer no simples é uma questão de atitude. Só poderão aproveitar o prazer do simples aqueles que tem paz interior. O grande segredo da vida está em saber valorizar as pequenas coisas dadas por Deus. Se uma pessoa não é capaz de administrar e valorizar aquilo que considera insignificante, como poderá cuidar das grandes coisas que espera receber?
Os grandes homens da história, antes de serem reconhecidos eram pequenos, ninguém sabia quem eram, não davam nada por eles. Um bom exemplo disso foi o rei Davi. Um garoto, que quando chegou diante de Golias foi ridicularizado por ele, mas que gravou seu nome na história.
Outro exemplo é o de José, que foi humilhado e rejeitado pelos seus irmãos, mas terminou como um dos maiores homens do seu tempo, e até hoje é lembrado. Uma pequena semente é capaz de se transformar em um grande carvalho.
Ninguém começa sua trajetória grande. Seremos vencedores se aproveitarmos as oportunidades que surgem em nossa trajetória, por menor que pareçam, e fazer delas uma escada para alcançar nossos objetivos. Dando o devido valor àquilo que Deus nos tem lhe proporcionado. Tudo é uma questão de escolha.
         A Bíblia Sagrada nos mostra exemplos de pequenas coisas que se tornam em grandes resultados:
● O grão de mostarda (Lucas 13:18-19) é muito pequeno, mas quando semeado, torna-se uma grande árvore. Valorize o que você tem, isso futuramente poderá ser usado para abençoar muitas vidas.
● As duas moedas da viúva (Lucas 21:1-2) foram de grande valor aos olhos de Jesus. Não despreze o que você tem oferecido a Deus, para os homens pode não ter valor, mas Deus tem valorizado tua entrega.
● O pequeno Davi, e não o gigante Golias (1Sm 17.32);
● O pequeno grupo de Gideão (Jz 7.7), apenas 300 homens e não os exércitos inimigos.
● A pequena nuvem que trouxe chuva no tempo do profeta Elias (1Rs 18.1ss).
Sansão com uma queixada de jumento matou mil (Jz 15.14,15);
 Um pequeno prumo na mão de Zorobabel foi o suficiente para dar inicio a uma grande obra (Zc 4.10);
Elias, na casa da viúva em Sarepta, pouca farinha e pouco azeite (1 Rs 17.10-16);
Dívida alta é paga com um pouco de azeite (2 Rs 4.1-7);
 Vinte pães alimentaram cem homens (2 Rs 4.41,32);
A multidão faminta foi alimentada com cinco pães e dois peixinhos (Mt 4.17).
Deus valoriza as pequenas coisas. Devemos aprender a valorizá-las também. Muitas pessoas não vencem na vida porque não tem coragem de investir o pouco que tem em sua capacidade de multiplicar. Jesus disse: “quem é fiel no pouco sobre o muito será colocado” 
            Se os teus projetos forem para um ano, semeie o grão. Se forem para dez anos, plante uma árvore. Mas nunca deixe de seguir adiante, pois grandes edifícios são construídos a partir de pequenos tijolos.
Lembre-se sempre que se formos fiéis no pouco, Ele, Deus, nos confiará no muito. E então iremos perceber que a mesma grandiosidade das coisas pode ser produzida a partir de pequenas coisas.
         Por outro lado, o livro de Eclesiastes 10:1 nos informa que Assim como a mosca morta produz mau cheiro e estraga o perfume, também um pouco de insensatez pesa mais que a sabedoria e a honra”.
Esse versículo nos leva lembrar que ninguém tropeça numa montanha e sim, nas pequenas pedras. Só entenderemos o verdadeiro sentido da nossa vida, dando um passo de cada vez, pegando cada pedra no caminho, para construir o nosso castelo.
As pequenas coisas podem também trazer enormes prejuízos em nossas vidas. O pequeno estraga o grande. O menor acaba com o maior. A Bíblia Sagrada está repleta de exemplos onde homens e mulheres notáveis pecaram por causa de pequenas coisas:
● Adão e Eva pecaram por causa de uma fruta (Gênesis 3:6).
● Caim matou Abel (Gênesis 4:5) por causa da inveja de uma oferta.
● Esaú perdeu sua bênção por um prato de lentilhas (Gênesis 25:34).
● Sansão entregou seu segredo por causa de uma charada de “O que é o que é?” através de uma mulher (Juízes 14:14).
● Judas perdeu a salvação por 30 moedas (Mateus 27:3).
● Jonas ficou irado por causa de uma planta que secou (Jonas 4:9).
● Moisés não entrou na terra prometida porque tocou duas vezes na rocha com raiva (Números 20:11).
● Uzá tentou segurar a Arca da Aliança e morreu porque não era permitido fazer isso  (II Samuel 6:6).
● Saul perdeu o reino porque rasgou o manto do Profeta Samuel (I Samuel 15:27).
● O fermento (Lucas 13:20-21), que em pequenas quantidade é capaz de levedar grande quantidade de massa. Não se preocupe se ninguém percebe sua ação, continue e você verá a transformação.
         Não perca sua bênção por causa de nada. Tome cuidado antes de cobrar pequenas coisas das pessoas porque Jesus disse “Atire a primeira pedra quem não tiver pecado” (João 8:7). As pessoas estão jogando fora a eternidade com Jesus, para viver momentos de prazer com satanás.
Cristo Jesus nos ensina varias lições sobre a importância das pequenas coisas. São “as rapozinhas é que causam mal as vinhas”. Todos se preocupam com as grandes coisas, mas as pequenas realmente causam grandes efeitos.
Todos nós precisamos compreender que as pequenas coisas, aparentemente insignificante, tem grande importância em nossa vida. Compreender ainda que grandes coisas podem crescer de pequenos começos. Grandes idéias, assim como grandes pessoas têm emergido de pequenos começos. 
Jesus declarou um princípio que se aplica a praticamente todas as áreas da nossa existência: aquele que for fiel no pouco também será fiel no muito, mas o que não for fiel no pouco, também não será fiel no muito (Lucas 16:10). Ou seja, se não honramos e obedecemos a Deus em pequenas coisas, não devemos esperar que grandes manifestações venham ocorrer da parte de Deus.
Devemos aprender a obedecer à voz de Deus quando Ele nos fala ao coração e nos induz a fazer a sua vontade. Paulo ensina que é Ele: quem efetua em nós tanto o querer como o realizar (Filipenses 2:13).
Lembre sempre que a vida será sempre o maior de todos os acontecimentos. Estar vivo é uma dádiva, um evento, um milagre. Curta ou longa, a vida é capaz da superação. Nos pequenos detalhes, a vida acontece, sem muito ruído, apenas querendo viver. Necessitamos de algumas coisas, mas não é o material que determina a qualidade do viver.  Não deixe seus olhos fixos no que tem muito volume. Acostume-se a valorizar as pequenas coisas de cada dia. Exercite pequenos gestos, só assim a vida será grandiosa. O extraordinário é ser pequeno e simples. Os dias não são tão diferentes. Há muito por agradecer. Algumas coisas nunca serão conforme imaginamos. Mesmo assim é possível ter gratidão no coração. A saúde é um presente maravilhoso; a paz é uma forma de tornar a vida mais leve. Os dias vão continuar passando. A percepção dos pequenos milagres do cotidiano dependerá do que cada um guarda em seu coração.
Sejamos gratos a Cristo Jesus pelo que Ele fez por cada um de nós. Glorifiquemos a Deus no pouco, porque ele é o Deus da multiplicação. Quando cremos tudo é possível, “tudo posso naquele que me fortalece (Fp 4:13). Tudo não se refere a tudo que eu queira ter ou conseguir, mas aquelas que estão dentro da vontade de Deus. Acreditemos em Deus porque para ele nada é impossível (Lc 1:37). 
Amém.




terça-feira, 24 de maio de 2016

CORTANDO O MAL PELA RAIZ

TEXTO BASE: TIAGO 3:11-12; JOEL 2:11

Boa noite povo de Deus! Paz seja convosco.
Nesta noite vamos falar e meditar em como podemos cortar o mal pela raiz!
Todos nós temos conflitos. Quem não os tem?
Uns lutam todos os dias com seus conflitos externos. Os  Conflito externo, em termos muito gerais, refere-se às ameaças que se originam fora da pessoa e que ameaçam o progresso em direção a um objetivo. Entre os conflitos externos destrutivos podemos citar: inveja, fofoca, desentendimento, ambição, desamor, ciúme, etc...
Outros lutam todos os dias com seus Conflitos internos e constituem as ameaças que surgem de dentro da pessoa em si. Caracterizado em dilemas morais ou questões de lealdade. Na maioria dos casos, esses conflitos têm a ver com valores morais básicos, sendo portanto de origem humana.
Outros em conflitos entre a carne e o espírito, onde somos testados e tentados. Existe uma luta interior em cada ser humano entre a carne e o espírito. A carne deseja coisas temporais e humanas muitas vezes destrutíveis. O espírito almeja o que é invisível e espiritual. Ter consciência desta luta interior é imprescindível para quem deseja servir a Deus. Se vivermos no espírito temos vida e paz, mas se vivermos na carne, a conseqüência é a morte (Romanos 8.5-11). Ser tentado não é pecado, pecado é ceder a tentação.
Em qualquer caso, os conflitos podem ser construtivos ou destrutivos. Um conflito construtivo ajuda uma pessoa desenvolver um forte senso crítico face à ansiedade ou às ameaças externas. Conflito destrutivo refere-se às lutas que levam à dissolução e a destruição.
Tais conflitos normalmente nos trazem feridas, que devem ser tratadas e curadas. No entanto, a maioria das pessoas não conseguem resolver os seus conflitos e como conseqüência eles vão e voltam. Isto ocorre porque existe uma raiz – nenhum problema é órfão -  então não adianta podar, cortar as folhas, é necessário detectar a origem do mal e eliminá-lo, cortando esse mal pela raiz, e lançar novas sementes boas para formar raízes de qualidade.
Como vencer os conflitos? Vamos aprender com a Bíblia o que fazer para fortalecer nosso espírito e vencer a tudo que se opõe ao nosso caminhar em Cristo.

Para eliminar o mal é necessário:
Identificar se o que fazemos ou vivemos está de acordo com a Palavra de Deus.  Partindo deste ponto de vista nos leva a projetar nossa vida num processo humano e cristão. O projeto de vida não é algo acabado que um dia se alcançou e se conseguiu para sempre. É algo que cresce, se desenvolve, que sempre se está aprimorando... É um processo que tem metas, passos, etapas, pessoas, gestos visíveis, tempos de avaliação. Não são somente “sonhos”, ideais e valores... O projeto de vida vai-se iluminando a medida que vai-se fazendo. O desejo de seguir adiante, de caminhar é fruto da Graça.
Crescer em conhecimento e Graça. Muito cristãos não conhecem o significado destas palavras. Quando o Apóstolo Pedro escreveu (Pedro 3:18): crescei em Conhecimento e na Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, ele queria nos ensinar que devemos ter um conhecimento perfeito de Cristo Jesus e usufruirmos Sua Graça.
- Graça significa favor imerecido, e ao falar da Graça de Deus estamos falando de Sua atitude voluntária ao entregar Seu Filho amado Cristo Jesus em nosso lugar. Esse favor que Cristo fez por nós sem que o merecêssemos é a Graça de Deus. Então crescer na Graça é aproximar-se de Cristo Jesus e sua Cruz. É amar Jesus Cristo cada vez mais. É ser cada vez mais grato a Deus pelo Seu gesto de amor incondicional. 
- Crescer em conhecimento não significa ser expert em Bíblia ou de conhecimento secular, mas é crescer em conhecimento de Cristo Jesus. Para o cristão o conhecimento deve apontar para Jesus Cristo e a Cruz. Ele deve ser o tema abrangente de nossa vida. Cristo é o nosso Senhor e Salvador. Então devemos conhecer tudo o que diz respeito a nossa salvação, nosso salvador e a cruz.  
Lembre-se: para alcançarmos a vitória precisamos querê-la verdadeiramente.
- Muitas vezes temos o machado nas mãos, mas não temos forças para levantá-lo e cortar o que é necessário. Cortar na maioria das vezes dói. E sabe por que dói? Porque a raiz está fincada no mais profundo de nosso ser. Para cortar o mal pela raiz precisamos lidar com a origem do conflito, mas normalmente não é isso que fazemos, e como já falamos os conflito vai e voltam... e, muitas vezes piores. E o pior em tudo isso é que mesmo conhecendo a raiz muitas vezes não estamos dispostos a empregar um esforço para fazê-lo.
- Devemos tomar como exemplo para nossas vidas o bambu que apesar da sua simplicidade, é uma das árvores mais resistentes que existem. É tão durável quanto o concreto e a sua tração é comparada ao aço. São incontáveis as utilidades do bambu. Ele também é capaz de nos passar verdadeiras lições, as quais podemos muito bem aplicá-los em nossa vida cotidiana e nos tornarmos pessoas melhores e mais realizadas. A primeira e mais importante de todas é a humildade diante dos problemas, das dificuldades. Eu não me curvo diante do problema e da dificuldade, mas diante daquele, o único, o princípio da paz, aquele que me chama, que é o Senhor. O bambu cria raízes profundas. É muito difícil arrancar um bambu, pois o que ele tem para cima ele tem para baixo também. Você precisa aprofundar a cada dia suas raízes em Deus na oração. O bambu nos ensina é não criar galhos. Como tem a meta no alto e vive em moita, comunidade, o bambu não se permite criar galhos. Nós perdemos muito tempo na vida tentando proteger nossos galhos, coisas insignificantes que damos um valor inestimável. Para ganhar, é preciso perder tudo aquilo que nos impede de subirmos suavemente. O bambu é cheio de "nós" (e não de eu’s). Como ele é oco, sabe que se crescesse sem nós seria muito fraco. Os nós são os problemas e as dificuldades que superamos. Os nós são as pessoas que nos ajudam, aqueles que estão próximos e acabam sendo força nos momentos difíceis. Não devemos pedir a Deus que nos afaste dos problemas e dos sofrimentos. Eles são nossos melhores professores, se soubermos aprender com eles. O bambu é oco, vazio de si mesmo. Enquanto não nos esvaziarmos de tudo aquilo que nos preenche, que rouba nosso tempo, que tira nossa paz, não seremos felizes. Ser oco significa estar pronto para ser cheio do Espírito Santo. Por fim, o bambu nos dá é que ele só cresce para o alto. Ele busca as coisas do Alto.
- A força do Encardido não está nele mesmo e sim na sua astúcia em fazer que obedeçamos a sua voz (lembre-se de Adão e Eva). Foi através de Adão e Eva que a principal raiz do mal entrou na vida do homem. Observe que se o encardido pudesse acabar com você, ele já teria feito! Por que ele ainda não fez? Porque dentro de você ainda existe um pouco de fé e de Obediência a Deus. A lua do encardido é para que você perca toda a fé e passe a obedecê-lo 100%. Ai sim, ele poderá tirar a sai vida.
- Maus hábitos são como batata podre. Num saco de batatas boas uma única batata podre é suficiente para que todas apodreçam, é só uma questão de tempo, e o mal leva tudo a perder.
- A origem do pecado esta nos desejos que nascem em nossa mente. Se deixarmos, esses pecados formarão raízes profundas e voltar atrás se torna muito difícil.
- Os grandes males aparecem sempre depois de pequenos e muitos males. Os assassinos não se tornaram assassinos de uma hora para outra, com toda certeza tudo começou com pequenas coisas.
- Quando alguém come alguma coisa que lhe faz mal ele deixa de comer aquilo que lhe fez mal. Em nossa vida não deve ser diferente, se sabemos que algo nos faz mal, então devemos descartar, isto é, não deve permanecer em contato conosco.
Mediante tudo o que foi dito, cortar o mal pela raiz é arrancar pensamentos, atitudes, sentimentos, etc, que não presta.
Tendo em nossa lembrança que em hipótese alguma Deus abandonará aquele que confia n’Ele. Não existe luta por maior que seja que o cristão não possa vencê-la. O senhor conhece as situações difíceis de cada um. Ele é poderoso para ajudar cada um resolver os conflitos e conceder a direção certa a ser tomada.
Então se decida: desobedeça ao encardido e obedeça a Deus. Toda vez que você disser não ao encardido e sim a Deus enfraquecemos todas as raízes más em sua vida.
Nascemos para Deus e fomos capacitados a lutar contra o pecado, nossa fé nos sustenta para lutarmos contra as tendências do pecado em nós.

Amém.    
Pregação realizada na
Igreja Fonte de Água Viva
                                                                             Laranjeiras do Sul, 19/04/2003. 

terça-feira, 3 de maio de 2016

A IGREJA DE LAODICÉIA

TEXTO BASE: APOCALIPSE 3:14-16

Boa Noite Povo de Deus! Paz seja convosco.
O apostolo João estava prisioneiro na Ilha de Patmos por causa da Palavra de Deus e pelo testemunho de Cristo Jesus. Ele foi arrebatado no espírito e na visão viu o próprio Cristo. Não aquele que morreu na cruz do calvário feito homem, mas aquele que ressuscitou e está assentado a direita de Deus Pai e que vive eternamente.
Entre outras revelações foi ordenado que ele escrevesse as sete igrejas que estavam na Ásia Menor: Efeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia. Destas sete igrejas cinco foram censuradas e apenas duas não foram censuradas – Esmirna e Filadélfia. Seis delas receberam elogios de Cristo e apenas a Igreja de Laodiceia não foi lelogiada. É sobre esta igreja que iremos falar nesta noite.
Laodicéia era uma cidade situada no vale do Rio Lico, uma das mais férteis regiões da Ásia Menor a atual Turquia, entre as cidades de Colossos e Ierápolis (cerca de nove quilômetros de cada uma). Era uma cidade rica, próspera, muito conhecida na Ásia menor e no resto do mundo por ser um centro financeiro e possuir muitas fábricas têxtil e sediar o centro oftalmológico mais avançado da época. Embora se localizasse entre colossos e Ierapólis duas cidades conhecidas por suas fontes medicinais de água (Colossos rica em fontes de águas frias e Ierapólis  rica em fontes de águas quentes por causa de uma tocha chamada castelo de Algodão), Laodicéia não possuía água boa para o consumo. Suas águas vinhas das montanhas através de tubulações que ao chegar na cidade eram mornas, de mau cheiro impróprias para o consumo que causavam náuseas.    
A igreja de Laodiceia representa a Igreja moderna (1.900 até a volta de Cristo) e ao falar as Igrejas Cristo o faz segundo três temas: um diagnóstico, um apelo, uma promessa.
A igreja de Laodicéia foi a mais censurada por Cristo Jesus e não recebendo nenhum elogio. Ao olharmos para essa Igreja vamos ver que nela não houve desvio da Palavra de Deus, era a mais Orodoxa entre as sete. Nenhuma falsa doutrina foi a ela introduzida. Não se conhece nenhum escândalo, pecado ou abominação entre os seus membros. Não sofria nenhum tipo de perseguição interna ou externa. Para os seus membros e a sociedade local era uma igreja perfeita.
Então o que levou essa Igreja a ser a mais censurada por Cristo Jesus?
Em seu diagnostico Cristo comparou a Igreja de Laodicéia com as águas da região, e, com isso Ele quer dizer que embora Laodicéia não apresentasse nenhum desvio da Palavra, nenhum escândalo, faltava a ela o mais importante: o fervor espiritual. Laodicéia se declarava cristã, mas não houve mudança em seus corações.
Isso não é diferente nos dias atuais, muitas pessoas vêem para a Igreja, aceitam a Jesus mas continuam sendo as mesmas pessoas de antes, não houve mudança em seus corações.
Era uma igreja muito rica, não precisava de nada, tinha tudo o que queria, era bem vista pela comunidade, enfim todos queriam pertencer a esta Igreja. No entanto Cristo a classificou como pobre e miserável porque embora fossem cristãos nominais não pertenciam a Cristo que veio para resgatar aqueles que n’Ele creem.
Se Cristo não for o nosso Senhor e Salvador, então tudo está perdido e com certeza nos tornamos crentes mornos a ponto d’Ele nos vomitar de sua boca.
Eu observo que Cristo pegou pesado com os crentes de Laodicéia e creio que nesta noite Ele também pega pesado com alguns de nós! Sabe porque? Ele diz: Eu não desisto de você! Eu não vim a esta terra para sofrer, morrer de morte na cruz e entregar você de bandeja para Satanás. Eu vim para que você seja um vencedor, Tenha Plenitude do Espírito Santo, tenha poder.
Cristo faz um apelo. Ele pede para os de Laodicéia que comprem d’Ele ouro provado no fogo para que sejam verdadeiramente ricos e possam vestir vestes brancas para que não apareca a sua nudez. Pois essa Igreja era auto justificada e não tinha a justiça de Cristo estando nua diante do julgamento de Deus, e todo o seu dinheiro não podia comprar o Sangue precioso derramado por Cristo lá na Cruz do Calvário.
Como essa igreja não precisava de nada e tinha tudo o que queria, pregava o que queria, cantava o que queria,  procurava o fervor espiritual em outros lugares, na posição social, em suas riquezas,  em seus cargos. Enfim era uma igreja apaixonada por si mesmo. Ela por si só se bastava. Esquecendo-se que só poderemos encontrar fervor espiritual aos pés de Cristo.
Cristo vai além e manda que eles unjam seus olhos para que vejam, pois estavam espiritualmente cegos. É necessário que nossos olhos se abram, se nossos olhos se abrirem o coração se aquece, os pés se apressam, os lábios se abrem para dizer que Jesus Cristo está vivo, que Ele é o Senhor e Salvador de nossas vidas.
Cristo faz uma promessa. Enquanto lá dentro a Igreja estava em festa, Cristo do lado de fora diz: Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo (Ap. 3:20).
Se alguém ouvir a voz de Cristo e abrir a porta, este se tornará um vencedor, e ao vencedor será dado um premio: Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. (Ap 3:21-22).
Para terminar quero dizer que essa região onde existiu as sete igrejas do Apocalipse e tantas outras, hoje não existe ali nem 1% (um por cento) da população que seja cristã. A Europa que foi o berço do protestantismo hoje vive com a maioria de seus templos vazios. Sabe por que isto acontece? Por que não ouviram e deram atenção ao que o Espírito Santo disse as igrejas.
Amém.        


Pregação realizada na
17ª Igreja do Evangelho Quadrangular
Cascavel 24/04/2016

sábado, 23 de abril de 2016

A LOUCURA DA CRUZ


 TEXTO BASE: 1 Coríntios 1:18

Boa Noite povo de Deus. Paz seja convosco.
Hoje queremos meditar sobre um assunto muito importante: a Mensagem da Cruz.
Segundo o dicionário Michaelis da Língua portuguesa a palavra cruz é uma palavra feminina, singular que apresenta os seguintes significados: a) Figura formada por duas hastes que se cortam perpendicularmente;  b) Instrumento de suplício formado geralmente de duas peças atravessadas uma sobre a outra e ao qual, na Antiguidade, ligavam os criminosos condenados à morte;  c) O madeiro em que Jesus Cristo foi pregado. d) Símbolo de redenção para os cristãos; entre outros. 
A cruz é o símbolo universal do cristianismo, mesmo num mundo onde mais e mais ela tem perdido o seu significado. Na Bíblia, Paulo fala aos filipenses que Cristo se fez obediente até a morte, e morte na Cruz. Com isso Paulo refere à cruz como um madeiro na qual o Senhor Jesus foi cravado e morto no Calvário.
Para nós, cristãos, qual é o significado da Cruz de Cristo?
A cruz em si só não tem valor algum, não passa de dois pedaços de madeira de valor insignificante. Ela em si nos trás, muitas vezes, dor, tristeza uma vez que nos lembra a morte de algum ente querido. No entanto, é também um grande sinal da esperança: “Verão aparecer sobre as nuvens o sinal do Filho do Homem” (Mt 24:30). É uma certeza de que aqueles que morreram em Cristo, também ressuscitarão com Ele (Rm 6:4).
Em verdade, a Cruz, representa grandes contrastes: o ódio máximo e o amor maior; o aparente fracasso e a vitória final, já iniciada; a justiça e a misericórdia; as luzes e as trevas; a tristeza da morte e o rebentar das “fontes da alegria de salvação” (Is 12:3). A Cruz é estimulante ao sacrifício, ao heroísmo e ao martírio. É a fonte de inspiração aos missionários  de todos os tempos. A Cruz, nos incentiva a solidariedade com os que sofrem: doentes, encarcerados, injustiçados, excluídos, enfim para todos (e para nós também). O Crucificado é a resposta: “Não temais, eu venci o mundo” (Jo 16:33).
A Cruz é a grande maravilha de um amor sem limites e sem explicações, de um amor humano-divino de total doação. Poderíamos escrever um livro sobre o significado da cruz para os cristãos, porém, o valor máximo da cruz está na Mensagem da Cruz. A cruz é o sinônimo de Cristo crucificado.

É sobre a mensagem da cruz que abordaremos nesta noite. A Mensagem da Cruz vem sendo pregada, de forma simbólica, deste o principio, de Gênesis ao Apocalipse, no velho Testamento como sombras para as coisas futuras e no Novo Testamento a confirmação do sacrifício de Jesus na Cruz. Um sacrifício para muitos sem nenhuma lógica. É verdade, não existe lógica em que alguém deixe um reinado (seu trono) para morrer por um povo pecador. Para nós humanos isso é loucura, porém, é através desta loucura que Deus decidiu nos salvar. Realmente, poucas pessoas entendem a mensagem da cruz! O porquê do sacrifício de Jesus! Poucos entendem que essa loucura foi feita, para que nós não precisássemos ser crucificados naquela cruz.
         Toda a raça humana é formada de pecadores, mas Deus quis salvar alguns deles e para isso Deus teve que sacrificar seu filho, com morte na cruz, para que o sacrifício d’Ele pudesse aplacar a ira de Deus e com isso colocar a disposição de alguns a salvação. Então através desse sacrifício de Cristo podemos chegar a Deus.  Não poderíamos ter acesso ao Pai se Jesus não tivesse morrido na cruz. Não poderíamos ter esperança de salvação se Jesus não tivesse ressuscitado. Essa é a loucura da cruz. Deus não ouviria nossas orações se Jesus não tivesse existido e se sacrificado em uma cruz. Isso é o que significa “loucura” para os homens naturais.
A cruz representa Cristo crucificado. Nosso único e verdadeiro Salvador e Senhor é neste contexto que Paulo fala: “Certamente, a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus” (I Co 1:18).
De maneira simples, posso dizer que aqueles que estão se perdendo são pessoas que não têm Jesus Cristo como seu legítimo Senhor, que não entendem que precisam da salvação e não vêem a necessidade ser submisso a Deus. Para estes a palavra da cruz realmente é uma loucura, pois não compreendem o significado da vinda, morte e ressurreição de Cristo. Não aceitam as coisas do Espírito de Deus, porque lhe é loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. (I Co. 2:14).
Por outro lado, nós que somos salvos pregamos a Cristo crucificado, o qual, de fato, é escândalo para os judeus e loucura para os gentios mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus. (I Co 1:23-24).
De uma coisa estou plenamente convencido que a mensagem do evangelho é loucura para aqueles que estão espiritualmente mortos, mas, para aqueles que são chamados, é o poder de Deus e sabedoria de Deus.
Tenho certeza de que Jesus tinha plena consciência de que Sua missão se cumpriria através de Sua morte, Ele sabia que ao vir ao mundo deveria morrer para que se cumprisse a vontade do Pai. Ele sabia que deveria padecer muitas coisas dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia (Mt 16:21). Ele veio para servir e não ser servido e para dar a sua vida em resgate de muitos (Mt 20:28). Ele sabia que sua morte seria por intermédio da Cruz (Jo 3:14). Jesus deixou-se prender e crucificar porque o quis; entregou-se voluntariamente, em cumprimento da vontade do Pai para a salvação dos homens. Por isto o Pai me ama, porque dou a minha vida para tornar a tomá-la (Jo 10:17). Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai (JO 10:18). Ele não foi morto por seus inimigos, antes, Ele entregou a própria vida para que com sua morte tivéssemos vida e vida com abundância. Esse sacrifício de Cristo foi aceito pelo Pai que está no céu. Com sua morte, Cristo se tornou um vencedor. 
Ele se tornou maldito em nosso lugar. A morte  de  Jesus foi o mais hediondo crime. Pilatos disse que nenhum crime achava em Jesus (Lc 23:4,14). A culpa dos judeus foi ainda maior (Jo 19:11); crucificaram o Senhor da glória (1 Co 2:8), seu próprio e verdadeiro Rei (Jo 19:15).

 Conclusões que podemos tirar da Mensagem da Cruz. A mensagem da Cruz abre horizontes para aqueles que crêem verdadeiramente que Cristo se tornou homem, habitou entre nós, padeceu, morreu e ao terceiro dia ressuscitou dos mortos e hoje vive a direita de Deus Pai.

Na cruz, o plano da salvação se completou. Em Gênesis 3:15 tudo começou. Ali Deus declara que sempre haveria na terra duas descendências: a do diabo e da salvação e que o descendente da mulher (Cristo) ferirá a tua cabeça (satanás) e tu lhe ferirás o calcanhar. A grande guerra espiritual da humanidade. Diz que satanás vai ferir o calcanhar, mas que Jesus vai esmagar a cabeça da serpente. Ferir a cabeça foi o que Jesus fez  na cruz do calvário, para que se completasse o plano da salvação. O inimigo foi derrotado por Jesus na cruz. O inimigo não pode mais te controlar, manipular ou humilhar, porque Jesus é o Senhor. Ele triunfou na cruz e Ele nos deu toda herança, na cruz do calvário. Na cruz a obra se completou a respeito da salvação.

Na cruz, Jesus venceu. Paulo disse que a sua Glória estava no fato que aconteceu na cruz do Calvário. Através da morte mais maldita, da morte mais intolerável, Cristo nos resgatou da maldição do pecado e da lei, fazendo-se Ele mesmo maldição em nosso lugar. Jesus nos resgatou e se tornou nosso substituto.
Para que o pecado e a maldição saíssem da nossa vida, era preciso que todos nós passássemos pela cruz, mas Deus não poderia fazer isso. Então, Ele se fez maldito, pegou o meu pecado, o teu pecado, a maldição, o castigo e a dor e trouxe para a Sua vida e encravou tudo na cruz do Calvário. Se não fosse a cruz, não haveria motivo de vida. É por causa dessa vitória de Cristo na cruz que quando oramos, os demônios, os espíritos enganadores e opressores batem em retirada. Veja o que João diz: (Ap. 12:10-12) Então, ouvi grande voz do céu, proclamando: Agora, veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus. Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida. Por isso, festejai, ó céus, e vós, os que neles habitais. Ai da terra e do mar, pois o diabo desceu até vós, cheio de grande cólera, sabendo que pouco tempo lhe resta. Cristo venceu e nós com Ele por causa do testemunho.

Na cruz, fomos redimidos das garras do diabo. E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados. Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência; Entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também.
Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), E nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus; Para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da sua graça pela sua benignidade para conosco em Cristo Jesus. (Ef. 2:1-7). Esse foi o tempo da ignorância em que estávamos nas garras de Satanás. Ele nos resgatou das mãos do inimigo quando esmagou a cabeça da serpente lá na cruz do calvário. Fomos redimidos das garras do inimigo, justificados pelo Sangue, santificados e libertados para sempre.

● A vitória da cruz fez com que a maldição da Lei fosse removida. Porque o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê (Rom 10:4). Cristo veio cumprir a lei. Ele se tornou Cordeiro e tirou todos os pecados do mundo. Sua obra foi completa. Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus (Rom 8:1). A condenação já foi removida, nenhuma condenação existe, pois temos Cristo Jesus. Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão. (Gál  5:1-9). Se alguém está em Cristo é nova criatura, as coisas antigas se passaram e eis que se fizeram novas. (2 Cor 5:17). Sobreveio a lei para que avultasse a ofensa; mas onde abundou o pecado, superabundou a graça, (Rom. 5:20). Se algo no teu passado te envergonha, te entristece, uma gota do Sangue de Cristo remove todo o pecado e a graça superabunda na tua vida. Isaias 1:18 diz isto: Vinde, pois, e arrazoemos, diz o SENHOR; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã. Isto foi na Cruz do Calvário.

 A vitória na cruz nos trouxe paz com Deus. Havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus. E a vós outros também que, outrora, éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras malignas, agora, porém, vos reconciliou no corpo da sua carne, mediante a sua morte, para apresentar-vos perante ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis, se é que permaneceis na fé, alicerçados e firmes, não vos deixando afastar da esperança do evangelho que ouvistes e que foi pregado a toda criatura debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, me tornei ministro (Col 1:20-23). Cristo fez a paz pela cruz. Na cruz a separação acabou, nós fomos reconciliados. Há paz entre nós e Deus.

● Na Cruz a autoridade do inimigo terminou para sempre. Despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz (Col 2:15). Com o triunfo de Cristo Jesus o encardido não pode mais entrar na tua vida. Você passou a ser propriedade exclusiva de Deus. Passou a ser o templo do Espírito Santo. A autoridade do inimigo terminou sobre a nossa vida. A igreja foi edificada sobre a Pedra que é Cristo, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.

● Na cruz a nossa morte acabou. Jesus disse: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente (João 11:25-26). A palavra é bem clara e diz que ainda que venhamos a morrer fisicamente ainda assim vamos viver eternamente com Cristo Jesus. Quem morre em Cristo Jesus vive eternamente. Aquele que não morre em Cristo Jesus também viverá em eterno sofrimento.

● A pobreza acabou na cruz do calvário. E, se sois de Cristo, também sois descendentes de Abraão e herdeiros segundo a promessa (Galátas 3:29). Pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, se fez pobre por amor de vós, para que, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos (2 Cor 8:9). Antes, te lembrarás do SENHOR, teu Deus, porque é ele o que te dá força para adquirires riquezas; para confirmar a sua aliança, que, sob juramento, prometeu a teus pais, como hoje se vê (Dt. 8:18). Irmãos não sou eu que digo, mas sim a Palavra Sagrada que confirma e Graças a Deus a pobreza acabou.

 Na Cruz a vergonha terminou. Isaias 61:7 nos revela: Em lugar da vossa vergonha, tereis dupla honra; em lugar da afronta, exultareis na vossa herança; por isso, na vossa terra possuireis o dobro e tereis perpétua alegria. Graças a Cruz de Cristo a vergonha acabou. Levanta a cabeça. Diga a Satanás que mesmo sendo imperfeito você é mais do que vencedor naquele que te fortalece.

● O véu se rasgou na Cruz do Calvário. Eis que o véu do santuário se rasgou de alto a baixo; tremeu a terra, fenderam-se as rochas (Mateus 27:51). Isto quer dizer que o caminho para Deus foi aberto uma vez que rasgando o véu temos acesso para a Sua presença. Hoje, temos acesso ao Pai.  Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne, e tendo grande sacerdote sobre a casa de Deus, aproximemo-nos, com sincero coração, em plena certeza de fé, tendo o coração purificado de má consciência e lavado o corpo com água pura. Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel (Hebreus 10:19-23).

● A rejeição foi derrotada. Na cruz Jesus derrotou a rejeição. Naquele momento, ali pregado na cruz, Ele se sentiu rejeitado. Por volta da hora nona, clamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lamá sabactâni? O que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? (Mt. 27:46). Ele sentiu a rejeição do Pai por causa dos nossos pecados. Deus não tem parte com pecador. Ele não poderia falar comigo, falar contigo se fossemos pecadores. Sobre Ele estava os pecados de todas as pessoas de todos os tempos (passado, presente e futuro). Ele sofreu o castigo que nós merecíamos. Acaso, pode uma mulher esquecer-se do filho que ainda mama, de sorte que não se compadeça do filho do seu ventre? Mas ainda que esta viesse a se esquecer dele, eu, todavia, não me esquecerei de ti. Eis que nas palmas das minhas mãos te gravei; os teus muros estão continuamente perante mim (Isaias 49:15-16).

         Para terminar, todos nós teremos um dia de prestar nossas contas para com Deus. Muitos terão apenas morte física, outros morrerão fisicamente como espiritualmente. Uma coisa é certa, todos terão um destes dois destinos. Deus providenciou para todos uma saída gloriosa através do sangue derramado por seu filho na cruz do Calvário. Foi um sacrifício perfeito. Cristo veio e morreu e com sua morte na cruz se tornou o sacrifício perfeito por nossos pecados. Ele não veio para que uma história fosse contada a seu respeito, mas, que fosse o mártir na salvação da salvação da raça humana.
         Essa é a verdadeira mensagem da cruz na qual Cristo Jesus foi cravado em uma cruz romana para expiar os pecados daqueles que colocam sua fé Nele. Ele morreu, foi sepultado e ressuscitou dentre ao terceiro dia. Uma obra terminada, completa. Quarenta dias mais tarde, Ele ascendeu aos céus, e hoje, está sentado a direita de Deus Pai. Se você realmente crer nesta mensagem, se arrepender de seus pecados e pedir que Ele o salve, Ele lhe dará a vida eterna. 
Amém

Pregação Realizada na Igreja Fonte de Água Viva.

Laranjeiras do Sul, 07/04/2002